Pierre Hermé x Ladurré: quais os melhores macarrons de Paris?

(17 de dezembro de 2014)

Bookmark and Share

m2

m1

Paris é mesmo doce!

E na terra da confeitaria, parece clichê dizer que come-se doces como se estivesse nos seus céus… Mas é lá que a doçaria faz ainda mais sentido…

Não por acaso, é lá que nasceram os macarrons. Esse fantásticos doces, se assemelham ao nosso suspiro, mas levam farinha de amêndoa e forma uma espécie de sanduichinho doce com recheios dos mais variados possíveis… Coisa para food-lovers (amantes de comida)!!!!

Aiiii, aquela casquinha quebradiça que a primeira mordida faz romper e promover um encontro com seu recheiozinho mais que cremoso e aveludado, traduz, nesse momento o meu desejo de estar em Paris nesse momento….

Além disso, o colorido é de encher o olhos e instigar os sentidos para se preencher o palato com o que há de mais sublime…

Pierre Hermé e Ladurée protagonizam os melhores da cidade, na minha opinião!

Os da Ladurée, um pouquinho mais doces, mas mesmo assim, enebriantes. Já os de Pierre Hermé, um delírio!

E, claro, na cidade-Luz sempre dou meu jeitinho de provar dos dois… rsrsrsrsrs… Só para me certificar que os melhores, na minha opinião, são mesmo os de Pierre Hermé!

 

PIERRE HERMÉ

72 rue Bonaparte 75006 Paris

4 rue Cambon 75001 Paris

39 avenue de l’Opéra 75002 Paris

18 rue Sainte-Croix-de-la-Bretonnerie 75004 Paris

E OUTROS ENDEREÇOS

http://www.pierreherme.com/

 

LADURÉE

16-18 rue Royale
75008 Paris

75, avenue des Champs Elysées

75008 Paris

13, rue Lincoln

75008 Paris

E OUTROS: https://www.laduree.com/en_int/

Bookmark and Share

Entrevista Exclusiva: Gastón Acurio, o mega chef peruano, fala ao Tempere sua Viagem!

(23 de novembro de 2014)

Bookmark and Share

tr DSC08664

Em termos de gastronomia no mundo, o Peru é, sem dúvida, a bola da vez, está, literalmente, na moda!

Tudo isso se deve a um homem o mega chef e chanceller Gastón Acurio!

Lá, seu nome e seu rosto estão por todo lado. Só se fala nele, só se fala em sua cozinha. O über chef é celebridade e se confunde mesmo com o peruvian food (cozinha peruana) e está tanto na boca do povo, das publicações especializadas, na imprensa internacional, na TV, nos jornais, nas rodas sociais, assim como o futebol está para os brasileiros. Sua imagem está indissociavelmente associada ao Peru.

A minha mente inquieta se questiona porque Acurio logrou tanto êxito em associar sua terra natal à gastronomia. Algumas coisas me ocorrem.

Em primeiro lugar, é um visionário. É, sem dúvida, um visionário!!! Sua genialidade consiste exatamente em mostrar ao mundo algo que o diferencia de outras culturas, a ponto de fazer o mestre dos mestres, Ferran Adriá, afirmar que o futuro da gastronomia está no Peru.

Sim, Gastón saiu de casa, olhou para seu país de fora e depois voltou-se para dentro dele, mostrou ao mundo sabores exóticos, inexplorados, únicos, que para todo o mundo soam exóticos. Sim, trouxe técnicas da alta gastronomia e as aplicou aos legítimos sabores de casa! Mas também conferiu p devido valor às técnicas originárias de seu país. Soube como ninguém vender, literalmente, seu peixe!

Mas há outra coisa que talvez pouco se fale, mas que é preciso ouvi-lo para entender. A sua sabedoria e seu tino estão no fato de que soube arquitetar, com indubitável altruísmo, um conjunto de ações para valorizar sua matéria prima, os tesouros que só ali há! E isso engloba a valorização das técnicas milenares e artesanais de obtenção dos produtos e preservação dessas tradições face à automação e a industrialização. Com maestria aquilatou e estimou os produtos autóctones e nativos, além de voltar e centrar todos os seus esforços para o pequeno produtor, para a pesca,  reconhecendo o trabalho daqueles por quem essa riqueza chega às mesas e sem os quais isso não seria possível.

O resultado está aí para o mundo ver!

Assim, entrevistá-lo foi, mais que um ofício de cumprir pauta para o blog, foi sim, um aprendizado e uma honra!

 

TEMPERE – Como você vê a gastronomia brasileira no contexto da América Latina?

ACURIO – Bom, como disse Alex (Atala), há um território comum em que a divisão não é da natureza, não é da história, é da política. Muitos dos produtos (peruanos e brasileiros) são os mesmos. Os desafios são os mesmos. Há problemas que se enfrentam, que também são os mesmos. Então o cozinheiro tem a oportunidade de participar desse processo.

Em segundo lugar, o caso concreto do Brasil, que também é uma sociedade multicultural, de uma grande diversidade, que está conquistando o coração dos brasileiros através de sua cozinha, com os cozinheiros se unindo cada vez mais para trabalhar por um objetivo comum.

Isto é o que está acontecendo em toda a América Latina. A comunidade de cozinheiros está trabalhando junta, não só nos países, mas entre os países. Isto é muito importante porque afinal temos que construir uma imagem ao mundo da América Latina, obviamente cada um em seu país. Uma América Latina que é um território charmoso para visitar, para viver, para compartilhar, para experimentar, para descobrir. E a cozinha é uma das ferramentas mais poderosas para conseguir isso. O Brasil tem tudo isso e já está trabalhando para isso. É por isso que estamos aqui todos juntos, conversando sobre os mesmos temas. O que falamos aqui, praticamente poderia ser o mesmo discurso no Peru.

 

TEMPERE – Você conhece as diversidades multiculturais brasileiras? Cada região tem a sua particularidade? Como você enxerga esse caldeirão multicultural? E como você entende que se possa construir uma gastronomia brasileira tendo tanta diversidade?

ACURIO – Isso não é defeito, é uma virtude! É uma soma de diferentes cozinhas que se expressam de maneiras distintas que assumem um território, que assumem um sentimento, que assumem uma história, mas essa diferença, por sua própria particularidade. Mas o mágico que faz e que cada dia, pode-se viver uma experiência, outra experiência, outra e outra… Então, não se trata de unificar em uma única cozinha, se trata de vitalizar e fortalecer cada uma dessas cozinhas.

 

TEMPERE – Sou do Nordeste do Brasil, sou de Pernambuco. Você conhece a cozinha nordestina, que é muito particular?

ACURIO – Me encantaria conhecê-la. O trabalho é justamente este. São os cozinheiros de tua terra que têm que sair ao mundo a dar a conhecer a sua cozinha.

 

Bookmark and Share

Le chateaubriand: vanguarda e minimalismo em Paris

(4 de dezembro de 2014)

Bookmark and Share

Se você espera um bistrô com cozinha tradicional, nem vá ao Le Chateaubriand.

Lá, a cozinha é moderna, ousada, diria até conceitual.

O chef autodidata de origem basca, Inaki Aizpitarte, é um mestre em mexer e remexer, de subverter e deixar pensativo o comensal, com combinações e choques inesperados… Vanguarda… O simples… Minismalismos… Não é um local pra ficar impassível ou indiferente…

Foi assim, mesmo tendo lido linhas e resenhas, críticas e elogios  em sites de resenha, fui surpreendida!

O ambiente é casual e descolado, muito bem frequentando pelo hype da moda (a nata do mundo fashion) e, claro,da gastronomia. E, acima de tudo, o clima das pessoas e do staff da casa eleva-o ao cenário vibrante!

tr DSC02794

Em um menu de 5 cursos, voilà, suspense e surpresas…

tr DSC02779

Ceviche? Cadê o peixe, as cebolas, as pimentas? Mas se só veio o leche de tigre, sim, para beber, para evocar as sensações de ceviche, possuía brilho próprio e estava surreal! Como se fosse um aperitivo, com um pequeno pedaço de peixe ao fundo…

m1

A gente se entreolhou com o snack de camarões com pó de framboesa… Simplicidade? Deu uma sacudidela, mas fez a gente não esperar nada antes de dar a primeira mordida…. Ela surpreendeeeeeu, nada mais! E, tudo isto! Bom! Booommm! Queríamos mais…

tr DSC02783

Hadock defumado com maracujá  manga…

tr DSC02786

Após outros dois pratos, que não lembro mais do que se tratava…

tr DSC02787

…eis que veio o Boeuf  (bife) tandoori em ponto perfeito com umas batatas desidratadas… Muito bom!

tr DSC02797

As sobremesas, o mandarim ao rum com passas…

tr DSC02800

E, Toucinho del Cielo… Sim, a sua leitura para a clássica sobremesa portuguesa… Esta, sim, fechou com chave de ouro! A base de toda sobremesa portuguesa, ovos e calda de açúcar, estava encapsulada a remeter a uma gema, que, literalmente, se esparramava como tal, ao ser rompida… Estilo e sabor!

m2

Se gostei?

É conceitual demais…

Mas, sim, gostei, além do que eu esperava. Tudo muito bom e saboroso! Certamente, é uma experiência válida! E vale as mordidas!

Outro mérito: o restaurante cobra 65 euros pelo menu degustação, o que para Paris e, em se tratando de restaurante gastronômico, é, digamos um preço beeeem acessível! Ou seja, uma versão democrática da alta gastronomia… Talvez seja uma das explicações do sucesso…

Controverso ou amado, o fato é que o chef tem estado na crista da onda na ordem da gastronomia mundial e parisiense, das listas, dos prêmios, das resenhas. E que o cara é ousado, ah, isso é! E sabe se valer do simples, porém com técnica e com absoluto respeito ao produto, algo obsessivo mesmo por quem quer que ouse fazer boa gastronomia no país da boa mesa!

 

Preço: menu degustação a 65 Euros.

 

Le Chateaubriand

129 Avenue Parmentier – 11 ème

Fone:+33 1 43 57 45 95

http://www.lechateaubriand.net/index_uk.html

Bookmark and Share

Sushi Yoshi, o queridinho de Recife, agora repaginado!

(25 de novembro de 2014)

Bookmark and Share

No início de novembro quando estava no G11, encontro anual dos chefs mais influentes do planeta, conversava com André Saburó, também convidado ao evento, sobre as novidades do (novo) Sushi Yoshi que acabara de ser reinaugurado.

A notícia que todos reverberam na cidade, a união de Saburó e seu tio o seu Yoshi, é para se comemorar! Afinal, são dois dos maiores gigantes da cozinha japonesa que se somam para tornarem-se uma dupla imbatível. Tudo isto graças à trajetória de virtuosa de Saburó e ao pioneirismo em termos de cozinha japonesa de seu Yoshi, aliados ainda à sua experiência e ao seu carisma!

tr foto 1(1)

Pois bem, se o Sushi Yoshi já era meu reduto e de meio mundo de pernambucanos, agora é que ficou bom mesmo! Afinal, a ideia que Saburó me contou é a de que, lá, a cozinha japonesa tradicional vai prevalecer, com todo o repositório de receitas clássicas. É o retorno às origens, o que seu Yoshi sabe fazer como mestre!

Já estive lá semana passada para conferir as novidades e o que vi, foi suficiente pra vir correndo contar aqui no blog e atestar que estamos falando de outro patamar! O espírito japonês literalmente presente no prato!

O ambiente ficou mais charmoso, mais aconchegante, mais classudo! Paredes em tons de fendi, luminárias modernas, sem abandonar as referências japonesas…  Tudo alinhado com a nova concepção da casa.

tr DSC08792

tr DSC08786

tr DSC08795

No quesito sushis, literalmente, comi suspirando o sushi de barriga de atum!!!! Consistência sedosa, arroz que enobrece sabores.

tr foto 1(2)

Como na casa, nada é óbvio, a colina de atum selado com molhinho especial à base de cebolinhas e alho frito são mesmo um prazer raro! A crocância do alho e do gergelim arrematam a combinação de texturas!

tr DSC08782

Outro que se destaca e faz a gente desejar voltar muitas vezes, é o Yokubou, onde camarões e salmão são selados e deitados sobre molho especial de gengibre e saquê…

tr DSC08790

Bem, o que  vi é uma íntima relação com a cozinha japonesa, feita para desfrutar e, com uma criação além do visual!

Voltarei muitas vezes!

 

PREÇOS: Yokubou – R$ 38,70; Colina de atum – R$ 54,60.

SUSHI YOSHI

Rua Padre Luiz Marques Teixeira, 155
Boa Viagem Recife – PE

(81) 3462.2748 / 3342.3705
www.sushiyoshi.com.br

 

Bookmark and Share

Ferran Adriá, o mais icônico chef do mundo, em entrevista exclusiva ao Tempere sua Viagem!

(20 de novembro de 2014)

Bookmark and Share

Sem Título-1

Já falei aqui sobre a minha participação na reunião do G11 , sobre o fato de ter sido o único blog a ter acesso ao encontro, sobre a importância do G11, que reúne os chefs mais aclamados do mundo etc etc etc.

Na reunião anual desses monstros da gastronomia, eles estavam super à vontade, era uma reunião mesmo e não um congresso de gastronomia.

Foi nesse clima que pude entrevistar todos os chefs presentes, dentre eles, o über chef Ferran Adriá, o mais icônico e revolucionário de todos os tempos, cujas criações o imortalizaram quando comandava o extinto restaurante El Bulli e, por muitos anos, foi o melhor restaurante do mundo! Apenas os jornalistas mais abalizados e influentes do mundo gastronômico conseguiram esse intento. Um feito então para o Tempere sua Viagem, não?

Esse gênio mudou a concepção de alta gastronomia e foi um dos chefs que mais criou técnicas culinárias de todos os tempos! No seu extinto restaurante El Bulli, ele quebrou tabus trouxe o conceito de felicidade às refeições!

A seguir a entrevista, que foi um bate-papo informal, breve, sobre gastronomia brasileira,  mesmo porque o cenário não permitia uma longa conversa…

Eis a entrevista…

 

TEMPERE – Ferran, como você posiciona a gastronomia brasileira hoje no cenário internacional?

FERRAN – Se falarmos dos últimos  5 anos, o Brasil evoluiu muito . Tenho vindo nos últimos 10/12 anos aqui ao Brasil e vejo claramente uma evolução. O Brasil tem dado passos importantes e todo mundo ganhará. Há que se ter paciência nesse processo evolutivo, mas, no entanto, aqui todo quer correr muito.

 

TEMPERE – Como você vê o futuro do Brasil no cenário gastronômico internacional?

FERRAN – Vai depender dos brasileiros e brasileiras. Tem um futuro fantástico. Mas, há que entenderem que muita competitividade. E também tem um longo trabalho pela frente. Mas a evolução é evidente.

 

TEMPERE – Dos produtos brasileiros, quais os que você aprecia?

FERRAN – São maravilhosos! Na Espanha, olhamos muito para a cachaça (risos e um brinde, erguendo sua caipirinha). Trazemos sempre a cachaça do Brasil, pois é um produto único que vocês só têm aqui.

 

Bookmark and Share

Novo navio Quantum of the Seas terá Restaurante de Jamie Oliver e mais outras maravilhas gastronômicas (e tecnológicas também)!

(16 de novembro de 2014)

Bookmark and Share

*Fotos cedidas pela Royal Caribbean

 

A Royal Caribbean não para de se reinventar. A próxima mega ultra cartada deles é o  lançamento de um novo navio, o Quantum of Seas.

m2

O mega lançamento do ano que faz seu primeiro cruzeiro agora em novembro de 2014, traz muitas novidades em todos os quesitos! Em termos de gastronomia, não poderia ser diferente. A melhor delas é o restaurante italiano, Jamie’s Italian, do mega famoso chef Jamie Oliver!

m1

O chef desenvolveu um menu especialmente para o navio com pratos italianos rústicos elaborados artesanalmente com o uso de ingredientes sazonais e promete ser a sensação do navio e da própria indústria de cruzeiros!

Mas, a Royal Caribbean não se contenta apenas com isso e promete ainda mais na cena gourmet do navio! Nesse quesito, os restaurantes especialidades vêm com tudo e tenho certeza que mergulharão fundo para entregar aquilo a que se propõe a companhia: gastronomia e serviço!

Isto porque, além dos restaurantes tradicionais que há em todos os navios, e que já estão inclusos, os restaurantes especialidades saem desse script e oferecem o que há de melhor em terra firme…

Nesse ponto, além do Jamie’s Italian, o Michael’s Genuine Pub também vem com tudo e aposta em ser o primeiro gastropub americano localizado em alto mar. A parceria com o premiado e badalado americano chef Michael Schwartz oferecerá em seu alimentos e bebidas preparadas utilizando ingredientes de alguns dos melhores produtores artesanais do mundo. É pagar pra ver, já que, quando estive em Miami no bat-local do chef, a experiência foi um deleite!

A outra novidade será o Wonderland, um verdadeiro banquete aos sentidos em um ambiente onde os chefs da Royal Caribbean misturaram suas referências culinárias em um verdadeiro caleidoscópio gastronômico para criar um cardápio extremamente criativo e inovador inspirado na história de Alice no País das Maravilhas;

Ainda em termos de inovação, o programa de jantar Dynamic Dinning proporcionará aos hóspedes um novo nível de flexibilidade, variedade e qualidade, com cinco restaurantes de cozinhas variadas incluídas durante o cruzeiro.

Além disso, a nova classe Quantum irá reinventar o tradicional jantar no restaurante principal – tão comum em navios – inaugurando não um, mas cinco restaurantes a la carte, cada um com sua própria cozinha e ambiente envolvente. Eles oferecerão aos hóspedes uma experiência mais íntima e variada em cada noite de sua viagem e, aliados a um novo sistema inteligente de reservas, proporcionarão maior liberdade aos que estiverem a bordo na hora de decidir quando, onde e com quem querem fazer suas refeições, além de também possibilitar a escolha de como se vestir. Confira os novos e exclusivos restaurantes disponíveis aos hóspedes do Quantum of the Seas:

  • American Icon Grill - nesse restaurante teremos uma retomada dos clássicos americanos, reunindo os pratos regionais mais apreciados em um menu composto por pratos da famosa comida confort-style;
  • Chic - alta cozinha contemporânea evoluída para agradar a paladares modernos e exigentes tendo como base os ingredientes mais frescos e Premium;
  • Silk - com um estilo vibrante e exótico, será o lugar onde as especiarias do Extremo Oriente trarão um novo sabor para paladares aventureiros por meio de um menu Pan-Asiático;
  • The Grande - aqui todas as noites são formais em uma verdadeira viagem a eras passadas da Europa, com pratos atemporais e clássicos.
  • Coastal Kitchen - exclusivo para os hóspedes de suítes, este restaurante mistura influências mediterrâneas com a gastronomia das fazendas da Califórnia.

O Quantum of the seas será uma nova classe de navio. Não ousa superar seus primos Allure e Oasis of the Seas em tamanho, mas seguramente promete inaugurar uma nova ordem de entretenimento e tecnologia jamais vistos em navios e na indústria da navegação de cruzeiros.

Dentre essas novidades, está o espetáculo da Broadway Mamma Mia, robôs que farão as vezes de bartenders, onde os hóspedes farão pedidos via tablets e assistirão aos bartenders robóticos prepararem os seus coquetéis favoritos de uma maneira única e muito divertida.

m3

 

Sem Título-2

 

m4

Um lounge com paredes de vidro do chão ao teto se transformará em uma superfície onde serão projetadas cenas reais ou imaginárias, trazendo um espetáculo multidimensional com malabarismos batizado de Starwater. Esse mesmo ambiente será o lar de seis telas-robôs que encenarão performances surpreendentes, criando diferentes formatos ao subir e girar sozinhas ou se unir em uma grande e única tela.

1365713963_RCI-Two70-Night-5K-650x365

Tem carrinho bate-bate,simulador de paraquedismo, de surfe etc…

Além disso, as cabines internas serão equipadas com varandas virtuais que exibirão em tempo real a paisagem e os sons do exterior por meio de painéis de LED de 80 polegadas, garantindo que todas as cabines do navio tenham uma vista maravilhosa.

Eu vou querer embarcar nessa viagem! E você?

 

Bookmark and Share

Tempere sua Viagem, único blog no evento do G11, que reúne os chefs mais icônicos do planeta

(13 de novembro de 2014)

Bookmark and Share

Sem Título-2

 

Genteeeee, preciso contar os detalhes da novidade do ano aqui do blog, a que contei por alto no último post: o Tempere sua Viagem foi o ÚNICO blog a ter acesso ao G11 International Boarding Meeting SP, evento que reúne o grupo dos 11 chefs mais influentes do mundo!

tr DSC08663

Um evento que muitas pessoas gostariam de estar e que é restritíssima a entrada de jornalistas. Apenas poucos dos mais influentes no mundo da gastronomia, tiveram acesso!… O que lá é discutido reverbera no mundo todo! O vôo é alto, altíssimo, aliás!!!! Dá pra notar a necessidade de celebração dessa conquista do blog, não?

Para vocês terem uma ideia da dimensão dessa novidade, preciso explicar que o G11 é presidido por nada mais nada menos do que Ferran Adriá, do extinto e lendário Restaurante El Bulli, o mais icônico e revolucionário chef do planeta! Além dele, fazem parte do G11, chefs do quilate de Joan Roca (El Celler de Can Roca), Gastón Acurio (Astrid y Gastón e outros do Peru), Alex Atala (DOM), Michel Bras, Yukio Hattori e outros, todos presentes. Outras feras, como Rene Redzepi (NOMA), Enrique Olvera, Heston Blumenthal também fazem parte da seleta list.

Sem Título-1

 

É uma reunião anual fechadíssima, onde eles se encontram para debater o FUTURO da gastronomia mundial sobre o enfoque de um tema, que este ano foi Biodiversidade e relação com pequenos produtores.

tr DSC08623

A reunião ocorre anualmente em um dos países de um dos 11 chefs. Este ano foi no Brasil por causa de Alex Atala, anfitrião da vez. Além dos 11 chefs, como disse, pouquíssimas e seletas pessoas podem ter acesso ao evento, dentre jornalistas e chefs brasileiros e de outras nacionalidades, num total de 50 a 70 pessoas, mais ou menos. E deve ser assim mesmo, já que os chefs estão numa reunião de trabalho, num debate e não num congresso de gastronomia…

tr DSC08633

Nesse clima mais informal e descontraído, pude entrevistar os chefs (todos eles!), Ferran Adriá, Gaston Acurio, Joan Roca, Michel Bras, Rodolfo de Gusmán etc e conversar sobre gastronomia brasileira, sobre o posicionamento da nossa gastronomia no cenário mundial, sobre o fascínio pelos produtos brasileiros, dentre muitas outras coisas, em entrevistas que vou aos poucos colocando aqui no blog…

m2

m1

Fui convidada pelo Basque Culinary Center, que também era uma das anfitriãs e organizadoras do evento, e é a mais relevante, ousada e prestigiada faculdade de gastronomia no mundo hoje, cujo G11 faz parte do Conselho Assessor da faculdade. Por isso, preciso agradecer publicamente a deferência e oportunidade! Gracias, thanks, obrigada!!!

Os chefs estavam super à vontade, sem formalismos, confortavelmente numa conversa, uma espécie de reunião e debates intensos e aprofundados sobre o tema escolhido e a preocupação intensa com o futuro do planeta. A relação íntima da natureza e o que a biodiversidade tem a oferecer aos seres humano através do alimento e do que, em consequência, é ofertado à mesa!

tr DSC08639

Ferran Adriá era um dos mais entusiastas, suas ideias, reverenciadas e sempre com acréscimos pertinentes e elevadíssimos. Gastón Acurio falou de sua experiência de valorização do pequeno produtor agricultor ou pecuarista, do pequeno pescador, valorização desse elemento essencial na cultura peruana, com isso, do fomento à criação de um sentimento de orgulho na população da sua gastronomia e de seus produtos. E assim, também revelaram suas ideias Joan Roca, Michel Bras etc…

tr DSC08657

Afinal, a atividade do chef, do cozinheiro está inexoravelmente ligada à natureza e ao que ela pode ofertar como alimento. É uma relação, a meu ver, quase simbiótica, cujo ofício alimenta corpo e alma, traz vida e, porque não, mobiliza paladares!

Esses gigantes da gastronomia mundial perceberam isso e estão engajadíssimos na preservação da natureza. Não se trata da pretensão de, sozinhos, salvarem o planeta, mas de contribuir com o intento de preservar ao máximo a biodiversidade para as futuras gerações.

A proteção à biodiversidade é foco, através de elaboração e criação de pratos, cujos produtos e produtores respeitem a natureza, promovam e mantenham diversas espécies.

Além do tema sustentabilidade, outro viés foi abordado, qual seja, a relação com pequenos produtores e a busca de sabores autênticos. A demonstração explícita de que eles, através de um manejo sustentável e de pesquisas científicas, podem sim, contribuir decisivamente na apresentação de alimentos, não só mais saudáveis, como na exploração e descoberta de novos produtos. Um dos exemplos expressivos no Brasil, é o caso do fomento à produção de um pequeno produtor de arroz, o Chicão Ruzene, que voltou toda a sua força de trabalho e investiu em pesquisa para desenvolver espécies de arroz exóticas e genuinamente brasileiras, incentivados por Alex Atala e utilizados no seu restaurante, o DOM.

Com isso, foi possível vislumbrar outra vertente de atuação do G11, a da responsabilidade social, contribuindo para a melhoria da vida de pequenos produtores e, consequentemente do seu entorno, através da sensibilidade de identificar e estabelecer esses contatos, utilizar esses produtos em suas criações culinárias, demonstrando a ferramenta de transformação da sociedade.

Também vieram à tona as descobertas de espécies de vegetais que não se tem tradição culinária na sua utilização, mas que, seguramente, servem de alimento e alimento saboroso inclusive, aproveitando o que a natureza oferta de mais especial.

Ficou claro, ademais, que os cozinheiros, enquanto elemento cultural ativo e parte da cultura de um povo, têm ainda obrigação de fomentar desenvolver a identidade gastronômica de seu entorno, de seu povo, de seu país, seja resgatando antigas receitas, seja anunciando ao mundo sua riqueza culinária e produtos autóctones e nativos, seja, desenvolvendo novas receitas, seja ainda ensinando e disseminando suas descobertas e ensinamentos gastronômicos.

Outro chefs convidados também falaram sobre suas experiências nesse sentido, como o brasileiro Wanderson Medeiros do Picuí (Alagoas) e Rodolfo Guzmán, do Boragó, no Chile…

tr DSC08635

tr DSC08618

No dia seguinte à reunião, ainda dentro da agenda do G11, um coquetel e a apresentação ao grande público do Congresso de Gastronomia Mesa Tendências, da Revista Prazeres da Mesa, das conclusões dos debates do dia anterior…

tr DSC08697

tr DSC08706

O que eles falam, sobretudo no G11, será reverberado no mundo todo e, seguramente terá o peso de influenciar jovens  e maduros chefs ao redor do globo, mudando uma atitude mental e de trabalho dessas novas gerações. Sobretudo, revela, em última análise, sua paixão pela comida, que, em essência, é vida, é Criação!

Indubitavelmente, uma forma de dizer e declarar o amor pelo alimento, pela natureza, de dizer ame mais e cuide mais!

Foi um aprendizado enorme e um privilégio, ouvir essas feras em que a gente se inspira e constrói nossas referências culinárias. Foi indescritível o aprendizado e a conscientização de que podemos fazer melhor pelo nosso planeta, pela nossa mesa, pelo que nos nutre e alimenta corpo e alma!

Ficou claro que o Brasil tem tesouros gastronômicos inestimáveis, cujo valor temos obrigação de nos orgulhar e divulgar!

tr DSC08671

 

Bookmark and Share

Os chefs pernambucanos Bruno Didier e André Saburó e o blog Tempere sua Viagem no G11, reunião dos chefs mais influentes do mundo.

(5 de novembro de 2014)

Bookmark and Share

tr DSC08678

Os chefs pernambucanos André Saburó e Bruno Didier e o Tempere sua Viagem (euzinha!) estivemos neste domingo, em São Paulo, na seleta reunião do G11, o grupo dos 11 chefs mais influentes do mundo.

Estar presente nesse evento, a convite do Basque Culinary Center foi uma honra e um privilégio, já que, no evento, os chefs falaram sobre os rumos da gastronomia, relação com a biodiversidade e pequenos produtores, num aprendizado de nível elevadíssimo, como em poucos e seletos eventos no mundo da gastronomia mundial.

tr DSC08627

tr DSC08638

Vou contar ao longo da semana tudo o que aconteceu, os debates, as reflexões, a importância do evento, as entrevistas que fiz com Ferran Adriá, Gastón Acurio, Joan Roca, Michel Brás, Joxe Mari Aizega, diretor do Basque Cunlinary Center.

Super importante registrar é o prestígio desses nossos chefs Bruno Didier e André Saburó, cujos anfitriões foram nada menos que o Basque Culinary Center, Alex Atala e Ferran Adriá.

Bruno, não canso de falar aqui no blog, vale ouro, tem um talento e um brilho intensos, coroados pelas suas passagens pelo El Bulli e Tickets (dos irmãos Ferran e Albert Adriá). Saburó, é um baluarte e embaixador da gastronomia pernambucana, uma referência! Nada mais merecido!

O Conselho Assessor Internacional do Centro Culinário Basco (Basque Culinary Center), mais conhecido como G11, que reúne os 11 chefs mais influentes do mundo. Gente do quilate de Alex Atala, Joan Roca, Gastón Acurio, Rene Redzepi, que está sob a presidência de Ferran Adriá, reúne-se anualmente e debate sobre os novos rumos da gastronomia.

O Basque Culinary Center é uma dos mais importantes universidades de  gastronomia do mundo, uma referência internacional no ensino da gastronomia e inovação culinária, que, de tão importante e inovador, está chancelado pelo Conselho Assessor dos mais importantes chefs do mundo!

 

Bookmark and Share

Festival Gastronômico chega a sua 13ª edição com grandes chefs

(28 de outubro de 2014)

Bookmark and Share

 

2014 - imagem

O Festival Gastronômico de Pernambuco, evento que faz parte do calendário oficial do Governo de Pernambuco, realiza, a partir do dia 29 de outubo, a etapa de restaurantes, que terá como tema Sabores Retrô da cozinha Brasileira.

Este é o momento que cada restaurante recebe um chef convidado, que elabora um cardápio exclusivo para o evento, que mescla ingredientes regionais, com produtos produzidos em suas cidades de origem

Eu já escolhi os meus favoritos!!! E você?

Confira os participantes:

Sem Título-4

 

O Festival Gastronômico de Pernambuco (FGPE) foi idealizado pela Promo-PE, dos empresários Ana Lins, César Santos e Márcio Sena, com objetivo de realizar o intercâmbio entre chefs do Brasil e do exterior e a cultura gastronômica de Pernambuco. O evento, que em 2014 chega a sua 13ª edição, faz parte do calendário oficial de eventos do Governo do Estado de Pernambuco e tem como co-realizadora a Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança (ARBL).

Bookmark and Share

Remanso do Bosque (Belém): cozinha autoral da amazônia!

(26 de outubro de 2014)

Bookmark and Share

Qual a sua cozinha?

Essa é a pergunta que me faço sempre que viajo para conhecer novos restaurantes…

A dos hermanos (irmãos) Thiago e Felipe Castanho, executada no Remando do Bosque, é a cozinha do Brasil!

tr DSC08182

tr DSC08122

Dizer isto seria dizer tudo e ao mesmo tempo dizer o óbvio. Um risco de reduzir à mera redundância…

Ela é mais que isso, é uma cozinha de origem, de paixão pelo ingrediente mais autêntico que eles têm nas mãos, a cozinha amazônica. Uma celebração à cozinha brasileira!!! É uma fidelidade às suas raízes, ao seu país.

tr DSC08144

tr DSC08161

Mas essa pergunta seria melhor respondida se a resposta fosse que, através da cozinha, pode-se conhecer as pessoas, através de sua expressão culinária, que é a expressão máxima do seu amor, de se doar através do alimento.

A arte está precisamente em transformar a pedra bruta em sabores originais, com pinceladas contemporâneas, viés autoral, permeados de talento e maturidade!

Assim é que nas mãos dos Castanhos, a cozinha típica ganhou selo e características próprias. Um black label (selo preto), eu diria. E suplantou todas as fronteiras… Ganhou o Brasil e o mundo… As reportagens, prêmios (internacionais, dentre eles, figurar no número 34, na lista dos 50 Melhores da América Latina) não negam a fama espalhada aos quatro ventos…Tudo isso está causando um rebuliço no metier gastronômico internacional, capaz de alçar os chefs-irmãos ao estrelato! E a responsabilidade de estar protagonizando a escrita das novas linhas da moderna cozinha brasileira….

Soam como surpresa ao nosso paladar, os sabores ingredientes do terroir amazônico do menu degustação da casa…

Tacacachaça é o primeiro aperitivo, numa alusão ao tradicional prato tacacá. Aqui, de maracujá com folhinhas de jambu, a tal erva que deixa a língua dormente…

tr DSC08126

O beiju ultra crocante e quentinho faziam a incrível manteiga aromatizada com tucumã se desenhar, derretendo sobre ele. Não saberia eleger o melhor entre ele e o bolinho de tapioca na folha de bananeira na brasa. Generosidade em forma de comida, deixou-me pedindo bis eternamente!…

tr DSC08127

Bolo de macaxeira salgado com suave chantilly de pimenta que dava toda a vida à composição.

tr DSC08134

Manga e farinha d’água numa clara alusão ao ceviche. Um mix infalível e refrescante e potente!  Puro exercício de sabor!

tr DSC08136

Surpresa eram as batatinhas ariá no tucupi!!! Huuuuuum, essa foi a novidade que me arrebatou. Essas incríveis mini batatas são deliciosas e crocantes e aqui, não poderiam fazer um melhor dueto com o sabor do tucupi! Esplêndido!

tr DSC08141

Seguindo viagem, creme aveludado de abóbora, pele de arroz, camarão seco e farofa de pipoca! Delicadeza em forma de comida, um verdadeiro tesouro revelado!

tr DSC08148

O Mapará, peixe nativo da região, vestiu-se de elementos da terra, ao ser assado na folha de bananeira e deitar sobre suave e delicado creme de tucupi, com a farinha d’água ultra hiper mega crocante, a garantir o contraste de texturas.

tr DSC08154

O Filhote, outro peixe nativo, vestiu-se de gala e veio à mesa com leite de castanha do Pará e cará roxo.  De sabor inigualável, marcante e suave, de carne tenra e macia, branquinho, ainda deixa marcas no meu paladar e na minha memória… Um dos melhores peixes que minha memória gustativa pôde registrar…

tr DSC08156

Arroz de pato com tucupi e folhas de jambu adornados por ovo mole tinham uma suculência ímpar…

tr DSC08162

Cupauçu com castanha do Pará, chocolate branco e melaço abriu a fase das sobremesas. O cupuaçu, quase congelado, meio granité.

tr DSC08174

Bacuri, uma fruta nativa, fazia par com jambo e raspas de cacau da Ilha do Combu.

tr DSC08180

Antes, porém do ponto final, a única palavra que me resta é tomar emprestado as palavrasde Clarice Lispector, (no seu conto, a Repartição dos Pães), “pão é amor entre estranhos”… Esse amor que transcende a existência e transmuda-se para comida…

 

Remanso do Bosque

Travessa Perebebuí 2.350 (com Av. Rômulo Maiorana)

Marco – Belém
http://www.restauranteremanso.com.br/

 

Bookmark and Share