Daniel em NYC: notas de um mise en place perfeito

(25 de fevereiro de 2012)

Bookmark and Share

O que faz um restaurante e seu chef alcançar as tão almejadas três estrelas Michelin e ser objeto de desejo de food trotters?

Aqueles que,  de alguma maneira, pela sua originalidade e por sua autenticidade inigualáveis, despertam um algo mais naqueles que estão em busca do excepcional, do que vai além de uma experiência gastronômica…

Certamente um longo caminho, mas certamente também muita dedicação, técnica, sabor excepcional e, acima de tudo perfeição às últimas conseqüências! O sonho ou o pesadelo de muitos chefs…

Indubitavelmente, o Daniel, em NYC, do aclamado chef-celebridade-blockbuster, Daniel Boulud, não está nesse olimpo por acaso. Dono de uma cozinha francesa requintadíssima, moderna, cheia de sutilezas é a desculpa perfeita para um jantar especial: faz-nos imergir no universo da França, sem que estejamos lá, com toque e acento indiscutivelmente novaiorquino. Sem olvidar, entretanto, as últimas tendências em matéria de gastronomia…

Assim, a começar pelo ambiente, tudo impressiona desde o primeiro momento em que chegamos ao restaurante. Uma ambiência que inspira elegância, e ao mesmo tempo vibrante, com assinatura grifada e com obras de arte de artistas do momento por toda parte. Em estilo neoclássico, com sotaque contemporâneo. Suntuoso eu diria…

Um ambiente acolhedor e lindoooo (os lustres são mesmo objeto-de-desejo de qualquer um), que captura a essência dessa experiência e leva o gourmet a se entregar. Foi o que aconteceu… Um compromisso com os olhos… E, que se traduz na essência da sua cozinha, modernamente clássica…

Antes, porém um registro. O ápice de nossa experiência teve uma marca indelével: o mise en place do salão. Perfeito!!!! Esplendido! Denunciavam que ali também encontrava a insígnia de um autêntico Relais & Chateaux! E, dentre outros títulos, ostenta o décimo primeiro lugar na lista dos 50 melhores do mundo… Tudo, tudo, absolutamente impecável, desde a toalha da mesa, prataria, porcelena Limoges… Atenção especial às flores…. Enfatizavam o glamour!  Presença discreta, mas sempre atenta, atenciosa e solícita da brigada, gentil e suave. Um acolhimento que se traduz em hospitalidade…

Tudo corroborando para um faustoso jantar… Comida ritualística… Um envolvimento que toca os cinco sentidos e conflui para aguçar o paladar…

Primeiro, os amuses buches para abrir o apetite e introduzir…

Às entradas, portanto. A minha, um Ceviche Tai, com vinagrete de aipo, adornado por um falso caviar de tapioca e por último, para conferir o tom da sofisticação, um caviarzinho (verdadeiro) básico…

A do meu marido, mais interessante, um composé oferecia um trio de degustação ártico: trutas confitadas com estragão e erva cidreira; um tartar (quase etéreo) escoltados por caviar e um creminho de wassabi (perfeito!); e salmão em salsa de tomate amarelo, ultra suave aromatizado com cúrcuma… Fiquei babando pelo dele e acho que deveria ter escolhido esse…

Vamos aos main courses, então?

To me, um Loup de Mer (peixe) com o famoso molho de figos ao syrah (excelente) ao sumac (um temperinho oriental que confere um acento ácido…) e umas folhinhas de funcho…

For him, vitelo tenro, macio, com um purê de berinjela e camponata… Excelente!

Como encerrar uma noite dessas sem sobremesas? As marcas preciosas da noite estavam sim, nelas, nas desserts

Para A., meu marido, um preciso coulant de chocolate, indicavam uma precisosidade extraída do cacau da ilha da Guanaja (Honduras), cuja folha de ouro comestível enobrecia a criação…

Eu, mais afeta aos sabores cítricos, fui de morangos marinados, que, para minha surpresa, vieram assim: uma geléia de vanila e framboesa, uma massa sablé e um sorbet de yuzu (um limão japonês que não é exatamente limão, deixa pra lá, uma espécie de fruta cítrica)…

A partir daí, mimos, mimos e mimos! Umas madeleines quentinhas e divinas desmanchavam na boca, compareceram envoltas numa flor de guardanapo (super charmosa) para manter o calor, cuja “chuva” de açúcar era mais um charme; além de umas mignardises de chocolate que mais pareciam joias… Suaves sutiliezas encerravam a noite…

 

Instintivamente, o ser humano é impelido a comer apenas o que parece bom. Essa é a primeira e a última premissa do Daniel! Tudo corretamente executado. Serviço memorável para deixar notas de um mise em place perfeito…

 

DANIEL

60 East 65th Street

New York, NY

Estados Unidos

 Fone: +1 212-288-0033 ‎
Bookmark and Share

Escrever um comentário

*