Warning: Use of undefined constant user_level - assumed 'user_level' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/temperesv/temperesuaviagem.com.br/wp-content/plugins/ultimate-google-analytics/ultimate_ga.php on line 524

Rafael: um almoço dos céus em Lima

(11 de maio de 2012)


Warning: Use of undefined constant user_level - assumed 'user_level' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/temperesv/temperesuaviagem.com.br/wp-content/plugins/ultimate-google-analytics/ultimate_ga.php on line 524

Os últimos serão os primeiros…

Essa máxima vale para a refeição mais memorável que tivemos em Lima! Foi no último dia que almoçamos divinamente no Restaurante Rafael, em Lima… Posso garantir, não só tido como o melhor de Lima, mas o top one da viagem! Primeiríssimo lugar!!!!!

Cada mínimo detalhe daquela tarde confluiu para essa conclusão.

A mesa do Rafael era de uma discrição refinada, onde linho e prata já davam o prenúncio de refinamento clássico sem exageros, para fazer realçar o que realmente importava: a comida, leve, sem firulas, mas refinadíssima e que deixava notas de uma moderna ousadia… Nesse contexto, esse toque de ousadia já se anunciava no contraste entre o estilo minimalista do salão, mas que revelava uma personalidade que se detém aos detalhes, com ares elegantes, que realçava as inúmeras obras de arte ali expostas.

A arte alimenta a alma, não? E alma em cada detalhe daquela tarde era reverenciada, alimentada, literalmente, pela arte que circundava o local, seja na ambiência, seja na comida, que nos foi servida e presenteada com a sensibilidade de um verdadeiro artista, que tem em suas mãos uma leveza quase celestial…

A arte sensual e refinada dava seu prenúncio com as entradinhas, um trio de creminhos – funghis (soberbo e delicado), azeitona (instigante e delicioso) e queijo – absolutamente divinos, cuja textura, aveludada e suave, contrastava com a “pintura” de um denso balsâmico reduzido, salpicado no azeite de notas cítricas e apimentadas, fruto de um trabalho paciente de macerá-lo e curti-lo por cerca de 15 a 30 dias em pimentas peruanas, pimentão, alho e ervas… Aliança perfeita para ser passada no pão artesanal de vários sabores, quentinho, que chegou… Pô, esse azeite levantou a refeição e o astral, abrindo nosso apetite e nossa sensibilidade para o porvir…

Foi assim, com sensibilidade e riqueza de sentidos e de espírito que abrimos nossos trabalhos para apreciar e contemplar a arte a se exibir em nossos olhos…

Um humor sutil e refinado estava no título “abrebocas”, atribuído às entradas: um tempurá crocante de camarões com molho de akishiso de mirin – uma espécie de molho oriental à base  de mirin, um vinho oriental de arroz, com alto teor de açúcar e teor alcoólico mais baixo que o saquê – sobre salada de pepino, manga, abacate e castanha de caju. O tempurá, claro, chama atenção, sobretudo pela massinha intensamente crocante  por fora e quando rompíamos essa crostinha, sobressaía uma fofura e maciez, comparáveis a um floquinho de algodão. O molho o completava e era irresistível, lá com seus instigantes temperos peruanos ardentes, provocantes… Porém, a surpresa foi a salada que estava encoberta pelos frescos e carnudos camarões e, quase passou desapercebida. Quase… Como quase tudo por aquelas bandas tem sua pimentinha, aqui também havia um equilíbrio entre o azedinho suave e uma pimenta leve e adocicada (não ardia, pois era tempero), apta a deixar até o mais recatado paladar em festa! Se o camarão não estivesse tão maravilhoso, poderia afirmar que essa saladinha roubava a cena!… Hehehe…

A essa altura, já dava para arriscar a conclusão de que a cozinha do Rafael era um mundo próprio e estava fincada em bases sólidas da gastronomia clássica, fruto de sua formação francesa, que fundiam-se com técnicas modernas e contemporâneas e em séculos, milênios de tradição da cozinha andina. E, indubitavelmente, poderia assegurar que há ainda por trás disso, certa influencia da cozinha espanhola com toda sua modernidade e leveza…

Enfim, uma cozinha de autor, cuja apoteose foi revelada nos principais…

O do meu marido, um indescritível corte de angus, na brasa porteña, pesto de salsa., que possuía em seu quê a mais, o charme de notas de temperos andinos, indecifráveis aos nosso paladar), batatas ao acordeón e salada de grelhados… Se um corte de angus já é por si só soberbo e nobre, pelas mãos de Rafael, revelam-se inexplicáveis em palavras e eleva o pensamento a uma dimensão quase de meditação, onde o que conta é apenas o aquele silêncio de prazer absoluto durante a mastigação!… Os sucos do assado mesclavam-se nos legumes assados em parrilla peruana soberba, e se sublimavam! As batatas, assunto muito sério no Peru, ante tantas espécies diferentes, estavam crocantes e tenras, salgadinhas e sutilmente apimentadas. Um encanto! Perfeito!

O meu prato, uma lagosta grelhada em azeite de coral espuma de crustáceos e trufas sobre gnocchi e levíssima carbonara… Dios del cielo (Deus do céu)! Divino, sublime, celestial! Era possível sentir o aroma e o sabor penetrante daquela composição. Eu diria, daquelas que só uma master piece (obra de arte) é capaz de revelar… Leve, mas penetrante, delicada e aveludada, era como uma seda mais pura a fazer carinho na nossa boca, com sabores de uma personalidade forte que se revelava à medida que a refeição ia tendo seu curso…   A saladinha, novamente ela, além de ser o elemento que agregava a textura crocante, ainda fazia um leve contraste cítrico a equilibrar toda a composição, cujo conjunto da obra, levava a um passeio por todos os sabores, salgado, amargo, ácido, e ao final notas subliminares  e doces…

Para elevar aquela refeição, uma tarte perfeita e finíssima de crocância inigualável, na verdade uma espécie de bolinho de nutella e chocolate Valrhona, morno, cremoso e mega aerado envolto pela capinha crocante, da espessura de um papel, que faziam aquela criação uma perfeita tarte… O sorvete de amêndoa e o creme de framboesa selavam composição e em perfeita harmonia!

Enfim, como diria Izabel Allende, no seu delicioso, Afrodite – Contos, Receitas e Outros Afrodisíacos, “comemos até nossa alma se elevar em suspiros”!!! Aaaaaiii!!!! De fato, a cozinha do chef Rafael Osterling, com vocação para o perfeito, fez-nos elevar ao céu, com o cuidado dos anjos, com sua sublime delicadeza, e uma sutil sensualidade, anunciam e embelezam a vida e os sentidos e transformam-se em arte. Tornam uma viagem e uma cidade de fato inesquecíveis! Lima, eu te amo!

RAFAEL RESTARANTE

Cl. San Martin, 300

Miraflores

Lima – Peru

Fone: +511 242 4149

http://www.rafaelosterling.com/intro.html

 

2 comentários to “Rafael: um almoço dos céus em Lima”


  1. Warning: Use of undefined constant user_level - assumed 'user_level' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/temperesv/temperesuaviagem.com.br/wp-content/plugins/ultimate-google-analytics/ultimate_ga.php on line 524

    Estou com você e não abro. Foi a melhor refeição que fizemos em Lima.


  2. Warning: Use of undefined constant user_level - assumed 'user_level' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/temperesv/temperesuaviagem.com.br/wp-content/plugins/ultimate-google-analytics/ultimate_ga.php on line 524

    Oi Edu, Memorável, eu diria!!! bj

Escrever um comentário

*



Warning: Use of undefined constant user_level - assumed 'user_level' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/temperesv/temperesuaviagem.com.br/wp-content/plugins/ultimate-google-analytics/ultimate_ga.php on line 524